Além de você, há:

Arquivos

“Fuck”

Uma das capacidades intelectuais que mais admiro é a de “pensar fora da caixa”. O exercício daquilo que Edward de Bono convencionou chamar de Pensamento Lateral é algo que dá gosto de assistir, especialmente quando ocorre no mundo jurídico.

O caso de hoje é um exemplo clássico de Pensamento Lateral em ação.

Na cidade norte-americana de Fort Collins, Colorado (onde, vale dizer, passei grande parte da minha infância e onde nasceu a minha irmã Juliana) um determinado aluno – cujo nome não conhecemos – arrumou confusão na escola e acabou na sala do vice-diretor da instituição. Lá chegando, confrontado pela autoridade escolar, o acadêmico passou a dirigir ao vice-diretor vários palavrões, todos relacionados à palavra “fuck”.

Por conta de tal conduta, o aluno foi denunciado por prática de uma contravenção penal do estado do Colorado curiosamente denominada “interferência com servidores, professores ou alunos de uma instituição educacional”.

Entra em cena Eric Vanatta, um defensor público que recebeu a incumbência de defender o tal aluno desbocado. Como defensor, tendo vários casos mais importantes para defender, Eric Vanatta poderia muito bem ter feito uma defesa técnica, burocrática, explicando que a denúncia não reunia todos os elementos do tipo, ou algo dessa natureza. Mas o nobre defensor público resolveu pensar fora da caixa, e apresentou uma veemente defesa judicial da constitucionalidade do uso da palavra “fuck” e suas variações.

A sua peça foi, em suma, uma eloquente defesa do “fuck”. Só para se ter um exemplo, disse a defesa:

Fuck possesses incredible versatility. It can be a noun (you fuck), a verb (everything Billy touches, he fucks up), an adjective (I’m really fucking broke), an adverb (I’ve been fucking drinking too much), an exclamation (holy fuck, Batman!) or question (what the fuck?). (…)

The prosecution is attempting to hold a juvenile criminally responsible for the age old tradition of name-calling. Although Mr. XXX could have selected a more desirable choice in prose such as “I respectfully dissent” or “I am disappointed with your attitude, sir, and politely ask you to cease and desist”, the use of the words fucker and fucking nonetheless do not amount to criminal conduct in the particular context.

Desde logo peço desculpas aos leitores que não leem inglês. Até pensei em tentar traduzir trechos da brilhante peça do Dr. Vanatta, mas rapidamente cheguei à conclusão de ser intraduzível.

Antes de apresentar essa joia de argumentação jurídica na íntegra, devo fazer mais dois comentários:

1. Infelizmente, a genial argumentação do defensor público nunca foi debatida num tribunal. Defensoria e Ministério Público chegaram a um acordo que se o cliente do Sr. Vanatta ficasse quatro meses sem arrumar confusão, a acusação desistiria da denúncia.

2. Pode não parecer, mas há um gigante buraco lógico na argumentação do defensor. Para não tirar o prazer de quem quiser ler a peça, só o indicarei ao final deste post.

Portanto, sem maiores delongas, eis a defesa do fuck:

fword1

fword2

fword3

fword4

fword5

fword6

fword7

Para quem estava procurando a falha a lógica argumentativa: O defensor concentrou todas as suas forças no fuck, solenemente ignorando que seu cliente também chamou o vice-diretor de fucking fag. “Fag” é a gíria norte-americana utilizada para referenciar homossexuais de modo pejorativo. Como a defesa do uso de “fag” não seria nem de perto tão fácil (ou politicamente correta) quanto foi a defesa do uso de “fuck”, o defensor agiu como se o primeiro xingamento fosse apenas um penduricalho do segundo. Essa omissão teria dado uma resposta interessante a um bom promotor munido de boas habilidades de pensamento lateral.

8 comments to “Fuck”

Leave a Reply

  

  

  

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>